Meses

Dispenso elogios, quero a parede cheia de quadros Pintados por mim ou molduras de diplomas. Pois eu mesma me condecorarei Por ter sido tantas vezes indiferente. Mas quando percebi estava face a face Com uma figura de mim muito abstrata Egoísta e confirmada com a maldade dos homens Inteira indigna da bondade de Deus E […]

Leia Mais "Meses"

Parcela

Agora que a platéia esta vazia Posso dizer a verdade. Agora que não há mais freguesia Agora que somos eu e a realidade. Nao venci em nada, nao sou vencedora Esta pose que faço, é o orgulho que dura E so a verdade redentora Mantém presa minha ferradura. No mais, em tudo fracassei, tudo que […]

Leia Mais "Parcela"

Combustível

O sangue que em mim sangra Nao estanca. Escancara A vida, a natureza Carregada por meu corpo. Frágil quando perdida Violenta quando traida Intima de si, às escondidas, Tao profundamente que mal existe Sóbria quando solta, quando livre Se presa, amargurada Nunca ilucida de que muito entende Sempre cega de que muito sente. —————————————————— Meu […]

Leia Mais "Combustível"

Parto normal

Preciso escrever mais. Expurgar essa quimica ruim De analgésicos e metais cosméticos. Só fazer sair as palavras sem receio De que alguém não entenda o vocabulário ou o contexto. Não se faz poesia com publico, Não se faz carreira digna nem literatura com publico Arte não se faz com publico, Pensava errado o professor de […]

Leia Mais "Parto normal"

Origem

  Há quem defenda a subjetividade da Beleza, especificamente a beleza humana, como fosse baseada em gostos e experiências pessoais. Nesse caso, é fácil justificar o feio e repeti-lo como bonito até ser aceito assim para que não haja “belo” e “feio”, apenas “diferente”.  Mas, se tudo é belo, nada é belo. Também há quem […]

Leia Mais "Origem"

Rapto

A Sírshásana. Quando eu ainda ia para escola só para ter com quem brincar, o João Henrique, um amigo da escolinha, logo nos primeiros meses de aula acertou em meu estômago um soco de força tanta para me fazer prostar. Pela primeira vez as minhas mãos encontraram bruscamente o chão, seguidas pelo joelho e os […]

Leia Mais "Rapto"

Poda

Das minhas faces que eu tinha escondida Deixei desabrochar a mais humana Logo eu, que era tão prevenida, Vejo meu templo ruir em única chama. É preciso muita paciência para eu transmitir A natureza da minha alma, agora vala comum Que tanta serventia tenho, posturada a sorrir Se um de cada é só mais um? […]

Leia Mais "Poda"