Covarde!

Uma sequência de poemas feitos rapidamente, sem zelo, sem cuidado, sem muitas correções. Inapropriados.

Preciso criar um novo poema
Para um concurso
Vence o ego mais elevado do autor mais miserável.
Drummond está de ferias em Itabira
Ao nada voltou Pessoa,
Vincius eternizou-se momentaneamente
E Guimarães Rosa está encantado.

Preciso criar um novo dilema
E o dicionário esgotou-se
O que não acaba é a duvida
De existir.

———————————————————————-
Cai, cai, cai.
Nada rima, nada sei
Nada existe, e ainda é dia.
Se pudesse escrever de olhos fechados!
Ai, que gostoso é viver
Ouço uma canção, trabalho uma vida inteira
E ainda não acabo
De ser covarde.

———————————————————————-

A poesia seduz o homem
O corrompe, o derrota
Já não sei o que fazer com ela
A louca varrida.
Os outros são só os outros
Cansativos e necessários
Ai, poesia, essa é sua graça
Não me deixar sozinha,
Não me deixar viver
Enquanto a vida passa.

———————————————————————-
Esta é a existencia
Ser só um, nunca o bastante
Para sempre miseravel, incrompreensivel
Que vida mediocre eu queria pra mim
Sem vida, só sofrimento, acompanhar a correnteza
Porque pensar, caro amigo -que tristeza!
É  morrer.
———————————————————————-

Vicio:
Quero acostumar-me com o que é ruim
Porque a carne, maliciosa,
Não sabe sentir prazer
Sem torna-me escrava de seus delírios.
Quantas coisas eu queria dizer!
Se ao menos eu pudesse sentí-las…
Longe de mim o sofrimento, a queda, a insensatez
Quero canções mudas, boa prosa, negação
A insatisfação.
Covardia a minha
Não ter coragem de fazer
Tudo isso que é sadio, bonito
E que vai me levar a morte.
———————————————————————-

O homem toca a mulher: suspense.
A mulher toca o homem: suspeita.
O homem toca a valsa: dance! sou tão fraco.
A mulher que toca as costas: e se ele não voltar?
O homem toca o rosto: verdes olhos falantes, que querem dizer?
A mulher toca o chão: coagida por seus próprios medos.
O homem toca a outra boca, a mão, o tronco, o vazio.
A mulher toca o outro corpo pálido, frio.
O homem toca o espinho, e a rosa já não enfeita o jardim
A mulher toca o caminho, e agora o toque e mortal, só sabe dizer sim.
———————————————————————-

 

Desculpe.

Anúncios

4 comentários sobre “Covarde!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s