Espanador

arrumei a casa simbolicamente
como se tirando o pó dos móveis
e passeando pelos cômodos
saísse de mim também a crosta de sujeira
que pesa, que é a canseira
de construir e ter de conservar.

no meio das frestas haviam folhas rasgasdas
esqueletos de poesias, rabiscos de perfis
e se só isso restasse da matéria que sou,
seria o todo.

imundos e dolorosos
são os retratos.
ah! se fossem máquinas do tempo
viveriamos cem anos
em apenas um.

para que tudo ficasse alvo
tudo joguei ao chão
derrubei estantes e armários
tentei selecionar o útil
e entre as prioridades que dei
fiz Lixo Extraordinário.

 

——————————————————–

 

Anúncios

Um comentário sobre “Espanador

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s