Espasmo

Nunca tive oportunidade de fazer uma pesquisa profunda sobre a reação que as pessoas têm ao apaixonar-se. Quando peço conselhos e comparo experiências, busco, ao máximo, lembrar-me que as pessoas certamente dirão um pequena porcentagem do que foi a sensação que tiveram, já que é muito difícil organizar arrepios e calafrios em verbetes¹.

Quero, portanto, compartilhar, minimamente, uma experiência. Ínfima², não sei se feliz, mas, garantidamente, intensa. Espere, não pare de ler ainda. Também não gosto de ouvir relatos pessoais públicos, que tratam de nomes, lugares, julgamentos pessoais e drama. Não farei isso aqui. Não haverão personagens, tecnicamente, apenas sensações.

A anatomia da existência de cada um é diferente, bem como a aparência etc. Termo confuso? Quero dizer: a ligação entre corpo, alma e espírito é distinta de um ser para outro. Alguns tem os sentidos mais sensíveis, outros menos.

Há, mais claramente para uns que para outros, muitas coisas pelas quais podemos nos apaixonar perdidamente. E o fazemos. Quando pensamos em paixões, nos remetemos a pessoas e é disso que estou falando. Vale, apesar disso, o adendo³ de que, não raramente, quando toca determinada banda ou cantor em algum lugar improvável, o coração palpita e o corpo de alguma maneira reage.

Além das famosas borboletas no estomago, da garganta fechada, do calafrio, é possível sentir dores. Sem poesia, dores no corpo. As vezes, quando vê-se alguém que encanta os olhos e o coração, sente-se um cansaço extremo, como se apenas o abraço do fulano pudesse me acalmar. Como se não houvessem beijos, abraços e palavras para fazer sair a eletricidade torturante que corre nas veias ao ouvir o nome, ver os olhos, o perfil, o vulto, a sombra ou mesmo ter um flash de memória de alguma situação.

Sobre teorias de como cessar a desordenação de sensações, essa coisa dos sentidos não responderem aos nossos comandos, não sei discorrer (4). Fica o desabafo: se você nunca sentiu tudo isso, há de sentir; ou, então, sente de outras maneiras. Não somos iguais. À quem se identificou com alguma da sensações, fica o convite para uma conversa sincera e profunda sobre como é beirar a sandice(5).

 

Vou experimentar colocar um rodapé com o significado de algumas palavras, pois com frequência tenho dificuldade para compreender alguns textos com palavras que não conheço, mas que não são incomuns em ensaios, artigos de opinião e até mesmo poesias. 

 

1: nota ou comentário que foi registrado, anotado; apontamento, nota, anotação, registro.
2: o que é o mais baixo de todos; que ocupa o lugar mais baixo numa hierarquia.
3:aquilo que se acrescenta.
4:correr em diversas direções; espalhar-se.
5:qualidade ou caráter de quem age ou fala como um tolo ou como um simplório.
6: Espasmo: med contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s