Conjugação

Escrever é falar aos outros mas em primeiro lugar é falar à si de si mesmo. Por isso a importância de, mesmo que não seja todos os dias, registrar pensamentos e acontecimentos. Outro lado de mim, porém, insiste que o passado é a dita roupa que não serve mais e você não precisa olhar pra ela o tempo todo pra saber que engordou. O meio termo, então, é repartir o passado em fases, em pedaços ou em pessoas e ter olhos para todos os ontens, já que esse paragrafo que se encerra também é o que passou.

O famoso vão-se os aneis e ficam os dedos é muito valido porque a caixa mais segura de bens somos nós mesmos. Sejam as lembranças, as virtudes, as ideias, os desejos… E o lembrete desse texto não é a subjetividade da história de cada um e sim o proposito dela. É preciso fazer com que cada dia seja um elo de uma corrente, que é a nossa vida e o proposito dela, singular e muitas vezes não tão bem definido.

Olhar para trás e poder ler um livro que é misto: de contos, de poemas, de romance, tragédia, com algumas paginas rasgadas, algumas em branco mas, de qualquer maneira, um livro! Um compilado de histórias que se foram mas sairam de cabeça erguida – e aqui entra o perdão- porque puderam decidir ou não como seriam as proximas paginas. Esse também não é um texto de autoajuda ou de frases de efeito mas um desejo profundo de esquecer o amanhã, , sim, o daqui a pouco, os proximos dois minutos e viver a ultima linha dessa postagem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s